Blogue Patrocinado Por

Blogue Patrocinado Por

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Pitos de Santa Luzia... um recheio em clausura!

Pois é, pois é... a Língua Portuguesa ás vezes consegue ser um bocadinho tramada...bem, não sei se é a Língua em si ou a nossa mente que nos desvia para sítios diferentes daqueles que nós pretendemos percorrer.
Eis a frase que hoje, reza a tradição, mais se deve ter ouvido lá por Vila Real:
Hoje, é dia de dar o Pito!
Sim, sim... o Pito e não é o Frango no Churrasco, não!
A sério! É que é mesmo o Pito, esse mesmo que estão a pensar, ora pois!
O Pito de Santa Luzia!
E para que não haja cá confusões e mal-entendidos passo já a informar...só para quem ainda não sabe que o Pito é um pastel “grosseiro, de massa de cor amarela esbranquiçada e o seu formato faz lembrar uma trouxa, com recheio de abóbora e canela.”
Delicioso, crocante e irresistível!
Pelo Blog já anda uma receita desde os primórdios, AQUI mas hoje apeteceu-me refazer, aumentar a dose de forma a cumprir a tradição!


A 13 de Dezembro, em Vila Real celebra-se o Dia de Santa Luzia, protetora dos olhos e há uma tradição que se lhe associa:
Neste dia de Santa Luzia, manda a tradição que as raparigas da cidade ofereçam o Pito aos rapazes seus eleitos, para que no dia 3 de Fevereiro, dedicado na liturgia a São Brás, os rapazes retribuam a oferta com a Gancha. Para que não haja confusões, convém referir, que o Pito é um bolo com recheio de doce de abóbora e canela, a Gancha um rebuçado em forma de báculo bispal.
 
Mas vamos lá então à receita!
Ingredientes:
275g Farinha T55
100g Margarina para fins culinários
65ml água
Doce de Abóbora com canela, para rechear qb
Preparação:
1. Colocar no copo a manteiga e a água e programar 2Min./37º/Vel.2
 
 
2. Adicionar a farinha e programar 2Min./Vel. Espiga
 

3. Numa superfície polvilhada com farinha, formar uma bola e em seguida estender a massa finamente.
Com uma carretilha (se não tiverem...usar uma faca) cortar quadrados com cerca de 12x12cm.
 
 
4. Rechear cada quadrado com 1c. de chá de doce de abóbora. 
 

Unindo, depois as quatro pontas ao centro, de forma a obter uma trouxa.  
 
 
5. Colocar as trouxas num tabuleiro forrado com papel vegetal.
Levar ao forno pré-aquecido a 180º/15Min.
 




 
Curiosidade:
Os Pitos de Santa Luzia foram inventados por Ermelinda Correia, que veio a ser mais tarde a Irmã Imaculada de Jesus, natural de Vila Nova, em Folhadela. Esta rapariga tinha "um defeito": era muito gulosa, o que obrigou seus pais a enclausurarem-na no convento de Santa Clara de Vila Real, na esperança de transformar a sua pecaminosa gulodice, em virtude. 
 
 A Irmã Imaculada tornou-se devota de Santa Luzia, padroeira dos cegos e das coisas da vista.
Um certo dia estava a irmã a aplicar os curativos nos seus doentes (feridas, contusões e inchaços nos olhos), com uns pachos de linhaça, que não eram mais que uns quadrados de pano cru onde se colocava a papa, dobrando as pontas para o centro para não verter a poção (usados como pensos para os ferimentos)… quando de repente teve uma visão! 
 
Correu para a cozinha e fez a massa de farinha e água e cortou-a em pequenos quadrados.
Tinha consigo o cibo do açúcar que lhe cabia na ração e fez uma compota de abóbora com canela.
À imagem dos pachos dobrou a massa por cima da compota e levou ao forno a cozer.
A seguir despachou-se a esconde-los, pois estava proibida de ser gulosa.
 
A caminho cruzou-se com a madre superiora que era cega. A madre perguntou desconfiada, o que levava no tabuleiro. Cheirando o perfume adocicado, a Irmã Imaculada apressa-se a responder que são pachos de linhaça para os doentes do dia seguinte.
 
À noite na cela, a irmã Imaculada sossegou a alma e nem sequer se sentia culpada, pois sempre ouviu dizer que "do que não se vê, não se peca". 
 
O dia 13 de Dezembro consagra à Irmã Imaculada de Jesus a criação destes doces regionais, e ainda hoje é celebrada esta tradição, na capela de Vila Nova.” 

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Massa Sablée...

Clássica, tradicional, levemente adocicada, testada e aprovada!
É feita com 5 ingredientes que podem ser 4 dependendo do recheio escolhido, uma espécie de 2 em 1.
Prepara-se em 15Seg. e vai ao forno apenas 15Min.
Fácil e rápido!
Só podia ser uma base tipicamente francesa...pois é!
Ultimamente, e para fugir ás massas folhadas e quebradas tenho optado por esta massa Sablée.
É feita com ingredientes tão básicos que temos sempre em casa. Ao contrário de outras, assim que a massa está preparada, pode trabalhar-se de imediato e logo em seguida forno com ela!
Para além disso, é uma massa que desmancha na boca, é uma massa quebradiça por causa da manteiga que deve ser incorporada na massa sempre a temperatura ambiente, o que impermeabiliza a farinha, deixando a massa com essa característica.
Não lhe resisto, adoro!

Ingredientes:
300g Farinha T55 (podem substituir por farinha integral)
150g Margarina para fins culinários a temperatura ambiente
2 Gemas
50g Açúcar em pó (pulverizar 15Seg./Vel.9) podem aumentar até 100g
20ml Leite
Preparação:
1. Colocar todos os ingredientes no copo e programar 15Seg./Vel.5
2. Retirar do copo, estender a massa em cima de uma folha de papel vegetal.


Manter a folha e forrar uma forma de fundo amovível.
3. Com as pontas, dos dedos molhados em água, pressionar à volta da forma para que esta fique bem agarrada.
4. Levar ao forno pré-aquecido a 180º/15Min.
Retirar do forno e rechear a gosto.
Para esta tarte escolhi o recheio Limão Merengado, desta SUGESTÃO


Dica:
Podem colocá-la durante 3 meses no congelador, devidamente acondicionada ou 3 dias no frigorífico, antes de levar ao forno.
Podem retirar o açúcar e substituir por 15g de Sal e desta forma obtém uma base para recheios salgados.
Esta Massa Sablée também pode ser usada para fazer bolachas.
Podem também adicionar 2c. sopa de Cacau ou Chocolate em pó aos ingredientes e assim fazer uma Massa Sablée de Chocolate ou Cacau.
Receita: AQUI

domingo, 3 de dezembro de 2017

Empadas...

O nosso coração será sempre o túmulo vivo daqueles que partem...
Despedi-me do mês de Novembro da forma mais triste que poderia ter feito...e não era suposto ter sido assim!
Deveria ter sido mais um mês em que deveria ter sido pautado pela esperança da recuperação, do retomar de uma normalidade e de um ansiado regresso a casa.
Mas...quando a morte vence a vida e nos leva alguém de quem tanto gostamos surgem de imediato todas as questões que não são respondidas, surge uma revolta que nos transcende e que com o tempo irá amenizar todo o turbilhão do meu interior. Esse tempo que por enquanto teima em não ser meu amigo...vai passando lentamente e dói ainda muito quando a realidade não é nada daquilo que mais desejava.
Porque é que quando o momento da partida chega e sabemos de antemão que um dia chegará, nunca estamos preparados?
Porque é que não nos ensinam e preparam devidamente para um momento ao qual ninguém pode escapar?
Porque é que nos arrancam assim os que mais gostamos e o vazio é insuportável?
Porquê? Porque é que tem que ser assim?
Não possuo a capacidade de conseguir entender e ainda aceitar!

As recordações ficam, o amor esse permanecerá sempre no meu coração!
Para ti, Linda cunhada...a publicação que não vais ler e a receita que o César tantas vezes falou e eu não ta cheguei a pedir...

O meu marido adora empadas, curiosamente não era algo que me despertasse muito a vontade de as fazer. Ultimamente, falava delas constantemente: "Podias fazer umas empadinhas, gosto tanto! A minha madrinha fazia muitas e a minha irmã também."
"Está bem, qualquer dia faço, quando a tua irmã regressar a casa, vou-lhe pedir que me dê a receita..."
Não aconteceu!
A verdade é que durante estes últimos dias a vontade de o mimar mais ainda é tanta que ontem fiz as Empadas.
Não são iguais, mas foi a intenção que contou e ele adorou!
Confesso que o sabor do recheio é delicioso, a massa perfeita, se bem que custa a esticar, mas enfim, lá consegui!
E arranquei sorrisos  daquele que tanto amo, quando o nosso interior ainda tanto chora...


Ingredientes:
Para a Massa:
30ml Água
30ml Vinho branco
20g Azeite
20g margarina
1c. chá de Sal, Salinas Corredor do Sol
7g Fermento seco, FERMIPAN
1 ovo
320g farinha T55
Para o Recheio:
1 Cebola
2 dentes de Alho
50ml Azeite
500g Peito de Frango
200g Chouriço de Carnes caseiro
100ml Vinho Branco
10ml Molho de Soja
Pimenta preta moída na hora, q.b.
1 caldo de galinha/carnes
60g farinha T55
2 gemas
1 Ovo para pincelar
Preparação:
Massa:

1. Colocar no copo os ingredientes da Massa, EXCETO o ovo e a farinha.
Programar 2Min./37º/Vel.2
2. Adicionar o ovo e a farinha.
Programar 2Min./Vel. Espiga
Retirar e reservar.
A massa ficará conforme a foto, assim com bolinhas, deverão colocar num recipiente e formar uma bola. É mesmo assim!


Recheio:
1. No copo colocar a cebola, os alhos e o Azeite.
Programar 5Seg./Vel.5
Refogar 5Min./Varoma/Vel.1
2. Inserir a borboleta, adicionar o vinho branco, o molho de soja, o caldo, a Pimenta, o Chouriço e os peitos de Frango.
Programar 25Min./100º/Inversa/Vel. colher


3.Entretanto, esticar a massa, mas reservando 1/3, com a ajuda de um rolo, de forma a que fique bem esticada.
Cortar discos de modo a que encham as formas e depois outros mais pequenos (com o 1/3 da massa reservada) para as fechar.


Forrar um tabuleiro para Queques, usei a da Metalúrgica Bakeware, SA, a qual untei só com azeite.
4.Após terminado o tempo de cozedura, retirar as carnes para um recipiente e remover o Caldo para outro.
5. Inserir no copo cada peito de frango e programar 4Seg./Vel.4, retirando e reservando até terminar e fazer o mesmo para o chouriço.
Reservar.


6. Deitar no copo o caldo reservado e adicionar a farinha.
Programar 5Min./90º/Vel.3


No final, retificar temperos.
Programar 2Min./90º/Vel.3 e deitar pelo bocal as gemas.
7. Adicionar as carnes reservadas e envolver 1Min./Vel.3


8. Em cada, Empada verter o recheio até ao topo.
Colocar o disco mais pequeno e fechar as extremidades.


9. Com um cortador de pasta de açúcar, fiz pequenos corações, porque "Cozinhar, é um modo de Amar os outros".
Pincelei os topos das empadas e coloquei ao centro os pequenos corações.


10. Levar ao forno a 180º cerca de 25Min. ou até estarem bem douradinhas e cozidas.
Servir ainda mornas ou frias.







Dicas:
À minha sugestão de recheio podem adicionar cogumelos, ervilhas, cenouras...
Podem substituir este recheio por aproveitamentos de outras carnes ou até mesmo peixes e legumes.
Adicionar Ervas aromáticas a gosto.
Substituir o fermento seco por fresco na quantidade de 15g.
Fazer uma Empada grande em substituição das individuais.

sábado, 2 de dezembro de 2017

Creme para barrar de Chocolate e Avelãs...

Quem não gosta de um bom Creme de Chocolate para barrar uma generosa fatia de pão?
Eu gosto e nem sei se diga se gosto mais da fatia generosa ou da camada de creme com que o barro, também esta generosa!
E se este Creme for constituído por uma dupla: Chocolate e Avelã facilmente irá conquistar o coração daqueles que o saboreiam e para além disso pode ser usado em muitas outras receitas.
Seria muito mais fácil na ida ao supermercado colocar um frasco desse creme no cesto, mas quando começamos a ler rótulos e vemos alguns dos ingredientes que o compõem...desisto!
Mas não é só esse o motivo...o preço também, isto se a minha escolha recair naquela marca que é considerada a melhor do mercado. É claro, que existem outras opções mais baratas, mas provavelmente os ingredientes também não serão os de melhor qualidade.
Ora bem, mas fazer este Creme de Chocolate e Avelãs em casa também não é nada difícil, nem sequer dispendioso, muito menos demorado.
É fácil, fica mais em conta e a sua confeção não demora mais que 5Min..
É mesmo isto!
Pelo menos sei o que estou a comer e este Creme é delicioso!


Ingredientes:
40g Açúcar ( podem aumentar até 100g ou usar Mel)
150g Miolo de Avelã (podem substituir por Amêndoa ou Noz e se quiserem acentuar o sabor deverão torrar no forno cerca de 5Min. a 180º)
75g Chocolate para culinária (podem substituir por chocolate preto ou de leite)
75g Manteiga de Amendoim (podem utilizar manteiga para fins culinários ou até mesmo óleo de girassol ou de Coco)
100ml Leite
Preparação:
1. Colocar no copo o açúcar e pulverizar. 15Seg./Vel.9


2. Adicionar as Avelãs e o chocolate. 20Seg./Vel.9


3. Adicionar a manteiga e o leite. 3Min./50º/Vel.2


4. Programar 30Seg./Vel.5


Retirar para um frasco de vidro e guardar em local fresco.


quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Iogurtes de Coco e Aveia...

À semelhança de outras receitas caseiras que andam aqui pelo Blog, o Iogurte é também uma daquelas coisas simples e descomplicadas de se fazer em casa.
Sem complicações e apenas com dois ou três ingredientes que quase todos temos sempre por casa. É perfeito, certo?
Imaginem agora comer o vosso próprio iogurte da forma que mais gostam, ao pequeno almoço ou ao lanche.
Pessoalmente, gosto do meu no lanche da manhã, se possível com frutos secos (avelãs ou nozes) ou frutos frescos, mas também com compotas feitas por mim. Isto sim, pode ser considerado...perfeição!
Sólidos ou líquidos, eles estão sempre no meu frigorífico, prontos a serem consumidos.
No Verão, confesso que sou mais preguiçosa, pois por vezes com as altas temperaturas eles acabam por azedar...e nesta época diminuo a sua confeção.
Mas, mal chega o Outono...aí regressam eles, em força!
Desta vez, o sabor escolhido foi o de Coco e Aveia, sempre sem açúcar e feitos com leite Magro.
Ora bem, vamos lá às minhas dicas para fazer Iogurtes caseiros:
1. No processo de fermentação dos iogurtes a temperatura é um fator fundamental. Se a mistura estiver demasiado quente, os microorganismos morrem e não se reproduzem, se estiver baixa, poderá não ser suficiente para que eles se reproduzam.
50ºC é a temperatura ideal para a fermentação decorrer nas melhores condições.

2. Leite: pode ser usado leite magro, meio gordo ou gordo.
3. Consistência, se usarem leite magro é conveniente deixar fermentar mais 2H, do que as habituais 10H. Este tempo é o que eu uso.

O leite em pó contribui para que os iogurtes fiquem com uma boa consistência, mas se usado em excesso pode alterar o sabor.
Quando o adiciono, o que é raro, nunca ultrapasso as 50g.

4. Utilizo sempre um iogurte natural de compra, com a máxima validade disponível, pois é esta validade que vai prevalecer nos iogurtes que vamos fazer.
Podem, também substituir por 1 iogurte de aromas.

5. Para fazer iogurtes com fruta fresca, esta deverá ser sempre pasteurizada, devendo para tal cozinhar-se a mesma e deixar arrefecer antes de juntar o leite.
Ver AQUI
Se não fizerem o arrefecimento, muito provavelmente os iogurtes ficarão talhados.
Se fizerem iogurtes naturais, mas quiserem sabor, distribuam compota do sabor que desejam por cada um dos copinhos e vertam por cima a mistura de iogurte natural para fermentar.
Desta forma, resulta sempre.

6. Fermentação, onde fazer? Se não tiverem uma iogurteira, eu não tenho, distribuam a mistura por copinhos de vidro esterilizados e com tampa.
Embrulhem numa manta polar e deixem a fermentar durante 10 a 12h dentro do forno desligado.
7. Se desejarem que fermente no copo da Bimby TM31, podem embrulhar o próprio copo na manta e só distribuir nos copinhos depois de fermentados.
Confesso que não gosto, pois após a fermentação no copo, ao deitar nos copinhos, o iogurte vai perder um pouco da consistência obtida.
A Bimby TM5 não necessita de manta para envolver o copo, pois ela tem na receita própria o modo de fermentação. Contudo, tem um senão, na minha opinião!
A Bimby tem que ficar ligada durante as horas necessárias, o copo fica ocupado e durante esse período não se pode fazer mais nada.
8. Costumo fazer os meus iogurtes à noite e fermentam durante esse período e de manhã é só colocar no frigorífico para refrescar.
Fácil!
 

Ingredientes:
1L de Leite magro
1 Iogurte natural
Aveia em flocos q.b.
80g Coco ralado

Preparação:
1. Colocar os frascos sem tampa no forno pré-aquecido a 100º durante 10Min., para esterilizar.
2.
Deitar no copo 500ml de leite e o Coco.
Programar 1Min./Vel.9

3. Adicionar o restante leite e voltar a programar 1Min./Vel.7
4. Juntar o Iogurte natural e programar 5Min./50º/Vel.3

5. Entretanto, deitar nos copos ainda mornos os flocos de Aveia.


Verter o preparado do Iogurte e fechar de imediato os frascos, mas com cuidado para que a espuma que foi criada pela pulverização do coco, não caia nos copos dos iogurtes.



6. No tabuleiro do forno, colocar uma manta polar aberta, ao centro colocar os frascos dos iogurtes.


Abafar.



Colocar dentro do forno DESLIGADO durante as horas necessárias.
Retirar do forno e colocar no frigorífico para refrescar.